Água com açúcar...




Das lidas e relidas entrelinhas
Busco e rebusco cada esquina
No sentido ressentido da perda
Feito pernoite na noite em espiral

Sem voltas e reviravoltas mudas
Faço e refaço das letras em letras
Igual leitura de releituras nuas
No compasso de passos imperfeitos

De lado ao translado da loucura
Vejo e revejo poucas lembranças
Da não crença em descrença da ilusão

Firmo e confirmo de rosas e cravos
No coro em decoro de meu espanto
Conto e reconto falsos carneirinhos!

 

Ramoore

 

Voltar

 

Página Principal