Improviso de Berinjela




Em dia do adivinhe quem vai chegar?
Pensava no flerte correspondido no olhar,
E no corpo nu em desejos do dia de feira
Na hora do pregão da xepa na bacia meeira...

Segura em quatro mãos a bacia é disputada
Na compra esperada nasce à realidade:

- É minha, peguei primeiro!!!

Da cor de suas mãos sinto a cor da berinjela
Dividindo de seu sorriso, faço em metade
Meu riso inesperado no chão livre da feira,
Dois catadores na seqüela assalariada!!!

Contando dos dedos encontrar compromisso
Não vejo da aliança dourada o embaraço
No contraste da pele, o brilho da promessa,
Em preto e branco escrevo em papel jornal...

Esquecendo o elevador, saltando dos degraus,
Usando da escada a dançar, faço devaneios:

- Bendita Benedita...
- Não é que ela sempre tem razão...
- A melhor hora de fazer feira!
- É na hora da xepa...
- Longe dos olhares metidos a besta!
- Ah! E o melhor, não é preciso pechinchar!
- Sabendo escolher da qualidade...
- E, que qualidade!!!

Viajando na cor da berinjela, ouço da Benedita:

- Então, meu dengo, a feira foi boa?
- Comprou tudo que pedi?
- Vamos dar uma conferida?
- Tire a mão do bolso!
- Vem cá, segure a alça...
- Isso, primeiro quero a verdura!
- Sem risos, e sem sacanagem...
- Estou em cima da hora de sair!
- Cadê a listinha...

- Ah! Achei! Vamos conferir;

- 03 berinjelas bem firmes, está faltando uma!
- 06 tomates maduros e firmes,
- 01 cebola grande, também firme,
- 250 gramas de queijo parmesão ralado na hora,
- 01 porção de orégano,
- O óleo e o sal, ainda têm da compra do mês...
- A campainha tocou!
- Credo parece que está esperando alguém!

Saltando da alça da sacola, corro para atender
Sem camisa da calça descendo na cintura,
Segurando uma berinjela nas mãos...
Encontro o riso branco de seu sorriso:

- Desculpe, acho que na divisão da bacia...
- Sabe, sou seu vizinho...
- Mudei ontem e hoje na feira...
- Faço capoeira e...

Eu de olhos parados na berinjela esqueço o resto
Sinto do rosto o improviso sem aviso do chegar
Das pernas sinto subir um arrepio no calor das mãos
Pego a berinjela e ouço o som do berimbau...

Desço a escada pisando em nuvens coloridas,
Sem esquecer do arco-íris deixado a dormir
Expondo do tronco, marcas de minha presença
No prazer de encontrar nossa igualdade...

Chego de mansinho na cozinha...
Nada da Benedita!
Na mesa arrumada na pressa de sair, o bilhete:

Meu dengo, estou na casa da Eda.
Combinei de fazer a Berinjela do Ramoore.
A Anjinha está doida para provar.
Volto amanhã.
Um beijo
Benedita.
PS. Deixei pronto seu almoço, fiz a berinjela, para depois de o jogo acabar...


Pensando na berinjela, lembrei do preparo da receita:

- Lave bem as berinjelas e tomates...
- Unte uma forma de louça refratária...
- Corte a berinjela ao comprido em tiras finas
- Corte o tomate em rodelas generosas ( eu deixo a casca e sementes )
- Corte a cebola em rodelas bem fininhas...
- Coloque uma camada de berinjelas (umas pitadinhas de sal e orégano)
- Coloque uma camada de tomates (repita as pitadinhas)
- Espalhe uma porção generosa do queijo ralado...
- Repita as camadas, sempre colocando um pouco de óleo antes de cada camada..
- Normalmente dá umas três camadas...
- Não esqueça de colocar queijo na última camada.
- Leve ao Microondas por quinze minutos, no procedimento máximo.
- Depois mais ou menos dez minutos em dourar (no micro).
- Retire, espere esfriar e sirva com arroz branco.
- Caso o seu micro não tenha dourador, coloque para dourar no forno do fogão.
- Se o forno estiver bem quente, deixe uns quinze minutos.
- Mas, fique de olho na Berinjela.

Ramoore



      

Voltar