Moça Caipira

 

 

Hoje acordei com um som fora de ocasião

Estranhando da cama, assustado com a sanfona

Em fim de primavera e na chegada do verão

Senti do ar um cheiro de cravo solto na cama

 

Olhei para o dengo do meu lado adormecido

No abraço esquecido depois de fazer amor

E devagarinho tirando do colo bem dividido

Meu braço do abraço em travesseiro sem cor

 

Com muito cuidado alongando do corpo o braço

Inerte dos afagos noturnos senti os pés gelados

Sem meias de inverno, lembrei de meu embaraço

No laço mal dado na gravata do noivo afilhado

 

Mas depois de muita aguardente e pouco limão

A festa corria solta no churrasco de boi inteiro

Sem fazer doce a bendita Benedita e o Zécão

Agarradinhos em passos do samba de terreiro

 

Eu do noivo apadrinhado sem muita escolha

Em honras da casa recebia a prenda menina

Vestida em chita florida com fita vermelha

Nos cabelos negros estrelas de purpurina

 

Rindo de minhas lembranças sem fazer troça

Da bermuda lilás emprestada com muito gosto

Senti do cavalo apertar os caminhos da roça

Olhando o espelho vi da cara amassada o rosto

 

Conferi o resto todo saciado no cheiro trocado

Em cama de solteiro, pés e cabeças ao contrário

No deitar separados, para juntos ficar lado a lado

Do silêncio no tato único para quem não é otário

 

Da dança em par demarcado fiz da contradança

A fuga dita e pretendida na busca de seus passos

Girando das mãos trocadas até encontrar aliança

Da pele tocada com o toque de saber criar laços

 

Entre o sim e o não, basta saber nascer da verdade

Dos olhos nos olhos cantados na força da ilusão

E sem esconder do desejo que se faça a vontade

Do encontro não programado de todo bom ladrão

 

De lábios quentes do gengibre picante e adocicado

No açúcar derramado no leite condensado no ato

Sinto das entrelinhas fugir do sentido no versado

E deixo para sua imaginação descobrir o que é fato...

 

Se você pretende saber do gostinho sentido na receita,

Não espere ser convidado ladino, entre como penetra

Com ares de padrinho, ou madrinha, fique na espreita

Esperando na contradança, da Moça Caipira já eleita

 

E na troca de copos, permita da ousadia experimentar:

 

Ramoore

 

 

 Receita

 

Moça caipira


(bebida quente com aguardente e gengibre)


 


Ingredientes:


- 1 colher (sopa) rasa de açúcar
- 1 tira de casca de limão
- 3 cravos da índia
- 2 xícaras (chá) de aguardente
- 1 lata de leite condensado
- metade da mesma medida da lata de água
- 1 pedaço de gengibre sem casca em rodelas (cerca de 30 g)


Modo de preparar:
Numa panela média, derreta o açúcar; junte as rodelas de gengibre,

a casca de limão e os cravos.

Adicione a aguardente e deixe ferver por uns 2 minutos.

Coe e bata no liquidificador com o leite condensado e a água.

 Volte na panela e aqueça sem deixar ferver (pois derrama da panela).
Sirva bem quente.


Rendimento: 4 a 5 porções

 

 

Voltar

 

 

Receita de Irene Serra