Pastel...




Sentado na escada olhando para o nada
Nada me tira da cabeça a falsa lembrança
Do ontem pintado em aquarela da saudade
Do se não me queres tem quem quer...

Sem esconder da preguiça deixo seguir viagem
Na indolência dos dias quentes sem tua sombra
Imito do mito e ando só sem ser mal acompanhado
De teus pés perdidos encontrados ao deus-dará...

Dos caminhos de teu corpo me perdi na procura
Da querida ternura muda de teus lábios incolores
Procurei e me vi no encontro único da lástima
Feita no vermelho brilha a lágrima do tanto faz...

Dou brando grito de alerta e faço pulsar o coração
Devagarinho a vida revive apagando do pensamento
Teus queixumes e ciúmes de seres assombração
Das noites mal dormidas junto de tua alma ausente...

Fecho os olhos e sinto do ar trazer cheiro de dengo
Em mãos que afastam o frio e provocam do arrepio
Sinto da razão o credo-em-cruz acender da luz
Em palavras benditas da bendita Benedita...

- Vá de retro sem ter da volta nem no papel!
- Leva teus lamentos e penúrias!
- O mesmo vento que te trouxe, que te leve!
- De ti, até o rastro... Limpo de meus caminhos!

E assumindo da vassoura feita de folhas de alecrim
A bendita Benedita foi varrendo o mal deixado...

- Cruzes, meu dengo!
- Que carga pesada!
- Não fique triste, o fardo não é teu!
- Eu bem que avisei!
- O desamor tem artimanhas sutis e perigosas.
- Que criatura mais sem vontade de lutar pelos próprios valores.
- Parece ter prazer em não dar prazer!
- Dar prazer, é muito mais do que ir para a cama.
- O sentir prazer não pergunta se foi bom para você!
- Enfim, cada um com seu cada um...
- Pronto, despachei o traste!

E rodando da saia rendada em roda de vitória
A bendita Benedita deixa o sorriso abrir a paz
Fico feito menino descobrindo na verdade
De o barro moldar corpos sem criar almas...

Preso no colo farto abraço e sinto o calor do abraço
No carinho me deixo envolver na presença bendita...

-É, meu dengo!
- Tudo voltou ao normal....
- Vamos colocar a mão na massa?
- Não pense sacanagem!
- Sabe, ontem... eu e o Zécão fomos conhecer a “ Cortesia Pastelaria Brasileira “.
- E em cortesia, ganhei uma receita de pastel, é de dar água na boca!
- Você sabia que o segredo de um bom pastel, é fazer com carinho a massa.
- O recheio deve ser colocado com cuidado para não deformar a massa.
- Meu dengo, o pastel para ficar perfeito tem de ser frito com muito calor.
- Agora, vamos conferir os ingredientes...
- E colocar a mão na massa.

Ramoore


Receita


 



Pastel de carne


Ingredientes:


Massa
1kg de farinha de trigo
100g de banha de porco
1 colher (sobremesa) de sal
340ml água
Recheio
1kg de carne moída
gordura vegetal, sal, pimenta-do-reino,

cheiro-verde, cebola e vinagre a gosto

Modo de Preparo:
Massa: misture a farinha, a banha e o sal.
Acrescente a água aos poucos e amasse até a massa ficar lisa e homogênea.
Passe a massa em um cilindro (especial para cozinha) até que ela fique fina.
Corte a massa em pedaços de aproximadamente 20x20cm.

Recheio: aqueça a gordura em uma panela, coloque a carne moída,
acrescente os demais ingredientes e refogue.
Coloque porções do recheio na massa.
Dobre, aperte suavemente o centro da massa

para retirar o ar e as extremidades para unir as duas partes.

Cortesia Pastelaria Brasileira


Voltar