Sopa de Letras


Chovia em lâminas não ocultas
Aos raios do sol, sua silhueta nua
Aos raios da lua, escondia no rol
Dos esquecidos em ver serenas

As tempestades, provocando o rio
De mazelas correndo para o norte,
Buscam o querer criar confronto
No encontro sem idílio, sem amar

Olho com sorriso, do singelo penar
Em passos do andar só na perjura
Da jura não dividida do belo, alheio
Ao aviso escrito no conciso versar

Dos raios que partam um em dois,
Não deixo para depois, por ser feio,
Faço meio o caminho da liberdade
Em verdade dos feitos de “acha”

Sem invocar da ilusão no combate,
Na expressão de brincar do verbo,
No tête-à-tête que bate do rimar,
Seu nu é bobo, do ar falta cheiro!

Felizmente, a chuva parou...
E do nada um gostinho em resposta,
Trouxe da mesa já posta
O improviso da bendita Benedita:

- Meu dengo, a despensa estava vazia!
- Fiz uma Sopa de Pedras!
- A Thais do 301 deu três batatas...
- O Alberto do 404 deu um pedaço de músculo...
- A Mary do 505 deu quatro cenouras...
- A Eda do 707 deu cinco tomates...
- A Anjinha da cobertura deu o óleo...
- A Crys do 803 deu o macarrão...
- O Cadú do 609 deu um maço de couve...
- A Lú deu a abóbora...
- O Zécão trouxe a mandioca...
- O sal, ainda tem bastante!
- Não se deve emprestar sal!
- Dizem que dá azar!
- O Luizão vai trazer o pão...
- O Ronaldo, disse que vai trazer a vontade de comer!!!

Ramoore

 

Voltar