Trama, ou Drama?


Seu dito escrito em luva branca,
Quando relido lembra sutil corno,
Empresta da serpente a cauda manca
Pisoteada no bote igual adorno

Sem pés, em mãos cheias de falsos valores,
Dita sua fuga de fugir da ilusão
Na realidade busca criar de priores,
Traz o descrédito de sua mutação

Sem ter como esconder a peçonha,
Provoca meu riso de seu improviso,
Na eterna reconstrução da montanha

Esquece do solo fértil precisar,
Lembra sermão pragmático no aviso,
Em cinzas pretende a fênix imitar.


Ramoore
 

Voltar


Página Principal