Flor-da-montanha


 
Da galhardia não guardo do destemor
Na ousadia da procura nas alturas
Em nome de ser nobre sentir do amor
O desafio de recriar nuanças puras
 
No toque indelével da vida nua
Entre deslizes e matizes tão meus
Sigo firme com olhos no sol e na lua
Sinto sem lágrimas os carinhos teus
 
Em tela pintada de nossas cores
Com traços e linhas quase perfeitos
Vejo tua alma recoberta de flores
 
No bel-prazer a cumprir de tal façanha
Da jura em prova por poucos eleitos
Seguro nas mãos a Flor-da-montanha!
 

Ramoore

 

 

Voltar       Página Principal