CARÍCIAS
 
 

        
Deixando a alma solta,
em meio a brisa interior,
velejo em águas passadas
Ao sabor de doces recordações,
sem receios, sem ressentimentos nossos,
Sem rancores, sem saudades, 
não sentindo falta,
preenchendo com mel
A taça dividida em sorrisos de amantes,
deleitando em lábios tão seus
O sabor incomum do contato simples,
delicado, com gosto de quero mais
Fazendo sem fronteiras, 
sem pudores,
conhecendo do amar, 
a arte no corpo
Sem segredo, com fantasia infantil,
com brincadeiras e jeito de crianças
Não escondendo, 
deixando deslizar em suaves trejeitos,
com artimanhas
E sutilezas naturais aos amantes do sempre,
minha alma dentro da sua alma
Correndo de corpos unidos ao espaço infindo, 
voando
sem asas no vértice
Da emoção criada ,
renovada a cada contato,
cada olhar dentro do prazer
Em sentir não mais a vontade em comando,
abraçando da vitória o encontro
Sem sonhos, sem ilusões, 
com real troca de triunfos,
com a mesma bandeira
Simbolizando a unidade,
provando no vácuo,
o branco da mente em êxtase
Levitado em siamês,
dourado no néctar do gozo 
prolongado na harmonia
De corpos limpos para o amor,
de corpos sempre iguais,
das mesmas cores
Nos anseios de caminhos novos,
sem os atalhos 
de outros caminhos velhos
E já trilhados no desencontro 
em passado do desamor
não escolhido no viver,
Vivendo,
sentindo na vida revolta,
a escolha não imposta 
ao prateado inócuo
Sempre puro e cristalino 
nas intenções
de carinhos 
ao despertar da noite
E repousar,
sem travesseiros, 
sem lençóis,
acordando em seus braços.

 

Ramoore

 

Voltar

 

Página Principal