Enfado


De dias na espera de tua lembrança
Em meus anseios de importar ilusão
Nas noites sem o sono da esperança
A julgar da falta em tempo senão

Do vento contrário bater o portão
Aberto a perda sentida no vaivém
De teus passos andando na contramão
Em nossos caminhos notados além

Do lugar sonhado em dois fora um
Na promessa esquecida do amanhã
Sem o carinho parido do incomum

Na afinidade virtual de uma tela
Feito capricho de uma mutreta vã
No tédio a habitar a mesma cela!

 

Ramoore

 

Voltar

 

Página Principal