PARADIGMA EM 2001



Neutralizando falsas inspirações
em matéria,
perpetuando recordações
Mitificadas esperanças
nascidas no ontem,
sem tempo e espaço limitados
Transformam desejos profanos
ao mundo dividido
em gêneros,
ou prisões
Em irreal rotina de fazer amor
na multiplicação
da espécie dos acomodados
Neutralizando falsas aspirações
em espírito,
destruindo sonhos em realidades
Apregoadas crenças
ditas para o futuro,
limitam desejos,
abortam mil fantasias
Sem vidas,
do eterno carnaval
programado na elite
não pecaminosa de alcaides
Que em prática da divisão
na espécie dos incomodados,
fazem amor,
ou heresias
Neutralizando falsos pudores
em condutas,
marginalizando opções
no livre arbítrio
Da continuidade,
do desencontro natural
em sexos iguais,
contrastada pelo hábito
Crescente do descrédito
gerado no ventre imparcial,
ainda que liberto em delírio
De feto indefinido,
provocado em insinuações
externas e coerentes
ao fim de um ato
Neutralizando falsos valores
em individualidade,
menosprezando
o resultado do par
Caracterizado em paródias
de vida não programada,
nascida de velhas
e novas gerações
Contrariando
limites e dogmas,
inflando rebeldia
em novas formas
de sentir e amar
Sempre caracterizando
anormalidades,
ou aberrações
de laboratório,
imitando
emoções.
 

Ramoore

 

Voltar

 

Página Principal