Sem troco não há troco...


Do disse me disse de quem disse
Na ladainha da tal institucional
Em casa tolerante na crendice
Do povo tratado de irracional

Na ponta da língua dita do bordel
Saem soltos conchavos de meretrizes
Na demanda proposta do menestrel
Em algum canto perdido nos deslizes

Do coro em decoro decorado
E bordado em cruz de bastidores
O desafino é fino gorjeado

Do ouviram do caju e da pitanga
Em choro do hino verde sem cores
Cantam de saco cheio da tal miçanga...


Engordar do Natal e do Carnaval!
 

Ramoore

 

Voltar

 

Página Principal