Eremita




Do barco no desembarque da deriva
De meus pensamentos revoltos no mar
Desço sem ouvir quimera nativa
Sinto do silêncio não incomodar

Em passos vagos quebrando lembrança
Lembro vadia vontade esquecida
Sem juras juro de minha descrença
Não fujo da pena ser merecida

Sigo nos braços do vento sem chorar
Vejo da porta fechar a luz do sol
No espelho do refletir um olhar

Deixo do corpo nu a mente vestir
Tirando do sal em banho de escol
Espero da noite a lua seduzir!

 

Ramoore

 

Voltar

 

Página Principal