Dança da rotina...



Deixo dos pés o compasso acompanhar
De seus pés o valsar em mãos seguras
Da fita o laço preso no enlace solto
Na troca nasce do prazer provocar...

Sinto do olhar o brilho no renascer
De seus olhos o fazer de dengosa
Na face o rubor imitando tédio
Do sacrilégio não somar premissa...

Aguardo da cena em cena de riso
Do improviso trazer novo desejo
No toque de seu corpo perfumado...

Cobiço ter lado a lado em par
Das juras lembro fugir amarguras
Sem procuras fico a rir da rotina...


Ramoore

 

Voltar

 

Página Principal