No quarto de quatro!

 




Não sei de quantos e nem de quantas mãos
Na troca de par em pares trocados
Vêem do retoque o toque em vão
Como fresta de poucos cuidados

Feitos sombras assombrando do gozo
No cheiro de corpos mal coloridos
Do preto e branco em meio difuso
Na pouca luz de poucos escolhidos

Em sussurros quebras o desencanto
De minhas mãos com tuas mãos em carícias
Deixo dos pudores em qualquer canto

Na troca feita sinto teu contato
E aos pés beijados sem sevícias
Fujo da razão e fico de quatro!

 

Ramoore

 

Voltar

 

Página Principal