A FORMIGUINHA AZUL 

 

 

 

                                                                                        RAMOORE

 

 

 

PEÇA INFANTIL EM UM ATO

 

 

 

PERSONAGENS:

                               Formiguinha Azul – Ceci

                               Abelha – Tita

                               Besouro – Tião

                               Formigão – Tatai

                               Grilo – Zé Pulinho

                               Abelhinha – Belinha

 

 

 

                                              RUBRICA

 

 

          Conta-se a história de uma formiguinha, que por ser diferente, ser azul. Sentia-se menosprezada pelos companheiros de espécie. E com o desenrolar do texto sente que o

Importante é ter sentimentos sinceros, provando que a diferença de cor não deve existir

Quando há sinceridade e amizade entre todos.

 

 

 

                                              PRÓLOGO MUSICAL

 

 

-         MARCAÇÃO PARA A  APRESENTAÇÃO DOS PERSONAGENS

 

 

 

                                       Prestem muita atenção,

                                       Meus amiguinhos...

                                       Pois vamos apresentar,

                                       Os bichinhos de nossa história,

                                       Que então, iremos contar:

 

                                        Preste atenção,

                                        Muita atenção,

                                        Pois nossa história

                                         Vai ensinar-lhes uma lição.

-         APRESENTAÇÃO DOS PERSONAGENS

 

 

 

 Tita–

                      

                        De flor... Em flor

                        Vou voando...

                         Em busca do mel

                         Da flor mais bonita

                         Com  licença

                         Meus amiguinhos,

                         Eis aqui, abelhinha Tita.

 

 

 

 

 Tião -               Muito prazer meus amiguinhos,

                          Escutem o que vou lhes dizer,

                          Prestem muita atenção

                          Para vocês aprenderem

                          Eu sou o besouro Tião

                          Sou elegante

                          E forte a valer...

 

 

-         MARCAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE ZÉ PULINHO E BELINHA

 

 

ZÉ PULINHO E BELINHA -

 

                                                               Prestem atenção,

                                                                Muita atenção....

 

-         pode-se explorar a participação da platéia, com a repetição do refrão

 

 

 

Zé Pulinho –Paraaaaaaa... Paraaaaaaaaaaaa tudo.

                     Com vocês, a charmosa, a incomparável, a única...

                     Belinhaaaaaaaaaaaaa.

 

 

 

 

Belinha -.           Dizem que sou uma abelhinha

                           Muito , muito engraçadinha,

                           Mas que preciso aprender

                           A ficar comportadinha... nhá...nhá...nhá...nhá

 

.


Zé Pulinho –     Pulinho,

                          Pulinho é meu nome

                          Sou um grilinho de valor

                          Se precisarem de mim, iiiimmmmm

                          Estarei ao vosso dispor.

 

Belinha -            Belinha,

                          Belinha é meu nome,

                          Sou uma abelhinha de valor

                           Se precisarem de mim, iiiimmmmmmm

                          Estarei ao vosso dispor.

 

Zé Pulinho –      Dizem que sou um grilinho,

                           Muito engraçadinho,

                           Mas que preciso aprend...Olha o reiiiiiiiiiiiiiiii

 

 

Marcação

 

 

Tatai –                Muito prazer meus amiguinhos,

                           A história vai começar,

                           Apresento-lhes a formiguinha,

                           Que a todos vai encantar.

 

Marcação para a apresentação de Ceci – coreografia marcada em forma de semicírculo

 

 

Ceci –                 Eu sou a dona formiguinha,

                           Gosto muito de cantar..

                           Falar a toda criancinha

                           E com alegria dançar

 

 

Marcação – apresentação de cantigas de roda com coreografia.

 

 

Após dançarem – volta a marcação de Ceci (semicírculo).

 

 

Ceci -                 Escutem  só meus amiguinhos,

                           A História que vamos contar,

                           É a história de uma formiguinha,

                           Que vivia muito só.

 

 

Marcação – dentro de coreografia , os  personagens deixam o palco –
                                       -  fecham-se às cortinas -                   
                      

-         cena de Zé Pulinho e Belinha  -

-         aproveita-se a cena para a armação do cenário

-         cena com pano fechado -esta cena é para ganhar-se a cumplicidade da platéia e montagem do cenário, que no início do espetáculo terá apenas como fundo um painel com paisagem campestre.

-         Poderemos compor o cenário com apliques e adereços em acordo com cada cena

-         Ou ainda, com a fixação de biombos com a entrada da casa da abelha Tita e a entrada do castelo de Tatai.

 

(entra Zé Pulinho)

 

 

 

     - Pulinho...

            Pulinho é meu nome,

Sou um grilinho de valor,

Se precisarem de mim,iiimmmmm

Estarei ao vosso dispor.

 

Alô, garotada, tudo bem?

Olhem, eu tenho algo para contar para vocês.

(senta-se no procênico)

o que eu tenho para dizer é muito...

(entra Belinha e aproxima-se devagar por trás de Zé Pulinho)

 

Bel     - zuuummmmmmmmmmm...

 

      - Não! Não fui eu quem escondeu( percebe Belinha rindo de seu  susto)

             Puxa, Belinha, isto não se faz, eu pensei que fosse o tio tião.

 

Bel     - Ah! Quer dizer que você quem escondeu as botas do papai.

 

      - Sim. Eu estava fazendo de conta que era o gato de botas

 

Bel     - (fazendo cena) E eu fiz de conta que era (imita Tião) Zuummmmmm

 

      - Sabe, Belinha. Eu estava contando para a garotada, ou melhor eu estava   
             começando  a contar uma coisa importante, quando você chegou....

   

             (Belinha distrai-se com a garotada – Zé Pulinho imita Tião).

   

      - ZUUMMMMMMMMM.

 

Bel     - Não! Não fui eu quem pegou..

 

      - (rindo) Agora, foi minha vez... agora foi minha vez. Pegou o que?

             Heim, Belinha.

 

Bel     - Não é da sua conta. E se não é da sua conta. Eu não conto.

 

      - Eu sei. (enigmático)

 

Bel     - Sabe?

 

      - Sei. Mas você não precisa preocupar-se que eu não conto.

 

Bel     - Conta o que?

 

       - Que vi você...

 

Bel      - É  mentira.

 

      - Viu como eu sei.

 

Bel      - Vamos fazer um trato. Eu não conto que foi você quem escondeu as botas de
             papai   e você não conta  que fui eu quem quebrou o vidro

             de água de rosas da mamãe.

 

      - Ah! Quer dizer que foi você?

 

Bel     - Ué. Você não sabia?

 

      - Não. Eu fiz de conta que sabia e você acabou contando.

 

Bel     - Assim não vale.

 

      - Vale sim. Olhe, eu topo o trato.

 

Bel     - Topa, ou faz de conta que topa.

 

      - Eu topo. Palavra de escoteiro.

 

Bel     - Você não é escoteiro.

 

      - Ora, faça de conta.

 

Bel      - Está bem. Então, faça você de conta que eu sou o Chapeuzinho Azul.

 

      - Vermelho.

 

Bel     - Azul.

 

      - Vamos fazer uma votação. (dividem a platéia)

              Bem, meus amiguinhos, vamos ver quem ganha.

 

Bel     - O lado que gritar mais alto, ganha.

 

      - Vermelho...

Bel    - Azul...

 

 

                                 -depois de explorarem a participação da platéia –

 

     – Empatou.

             Vamos fazer de conta que é a história do Chapeuzinho Azul-Vermelho.

 

Bel     - Certo. Então, vamos fazer de conta

             que aqui é a estrada que vai para a casa da vovó.

 

      - E eu sou o Lobo-mau, que vai pegar um atalho até a casa da vovó.

             (sai de cena)

 

Bel     - Muito bem, garotada. Vocês entenderam, nós estamos fazendo de conta.

             (cantando)

             Pela mata afora,

             Eu vou bem sozinha

              Levar estes doces para a  vovozinha.

 

            Quando o Lobo-mau aparecer, vocês me avisam. E eu vou fazer de conta

            que não sei de nada .

          

               (continua cantando – entra Zé Pulinho)

 

      -  Ah! Ti peguei, Chapeuzinho Azul-Vermelho.

 

Bel     - Pegou nada. Eu não estou aqui.

 

      - Ué! Onde é que você está?

 

Bel     - Estou no livro de histórias e sabe por que?

 

      - Sei. Por que a nossa história é outra.

 

Bel     - Sim. A nossa história é a da Formiguinha Azul.

 

       - É isso aí, meus amiguinhos, o que eu queria contar para vocês,

             é que estamos no mundo do faz de conta.

 

Bel       - Só que agora, não vamos fazer de conta, vamos continuar com nossa  história.

 

                                - saem de cena -    marcação para a cena de Ceci -

-          

 

Ceci – Será possível que estou condenada a viver só.

           Ninguém aceita minha companhia.                               

           (pausa) Hum... quanta criança!Querem saber de uma coisa.

           Já não me sinto tão só. E vocês, aceitam minha companhia?

           Sim. Puxa.que ótimo. Muito obrigado. Obrigado mesmo.

           Vocês me deixaram tão contente. Acho até, que vou cantar.

 

                                             (canta cantigas de roda)

 

 

Ceci – Pois é meus amiguinhos, como podem ver sou uma simples formiguinha,

           Pequenina, frágil e ainda por cima azul.

           Ora... mas contudo, não deixo de ser graciosa e dona de um enorme charme,

           Beleza e veneno da formiguinha do Formí-tropí

(pensando alto)

Mas tudo isto não adianta!

Não tenho amigos...

Oh! Perdão.

Agora tenho todos vocês. Agradeço a todos.

Mas, sou uma simples formiguinha e não poderia viver...

Sabem, abandonei minha terra natal em busca de amigos.

E quem sabe! De meu príncipe encantado!

Mas até agora, estou só.

 

                                            - marcação -  abrem-se as cortinas

 

 

 

Olhem!

O que é aquilo?

Parece um castelo...

Ah! Já sei, é um castelo formigueiro.

Vocês sabem o que é um formigueiro?

Muito bem.

Será que as outras formiguinhas aceitarão minha companhia?

Vejamos....

 

 

 

 

                              Ceci entra no formigueiro....

 

                                         Ruídos e vozes fazem com que volte.

 

 

 

Ceci – Eu sabia... eu sabia. Ninguém gosta de mim

 

 

 

 

Marcação para a entrada de Tita.

 

 

 

Tita – Oi...zum...zum...zum... 

                                                     (bis)

Tá faltando um...

Cruzes, o que é isto? Alguém está chorando?

Ah! Coitadinha. É uma formiguinha, formiguinha!

Ué, é mesmo uma formiguinha.

E além de ser uma formiguinha, é azul.

 

(c/a platéia) – Sabem, eu nunca pensei que existissem formiguinhas azuis.

Acho melhor falar com meu marido, o besouro Tião.

Tião... Tiãozinhooooooooooooo.

 

Tião – Zummmmmmmmmmmmmm.

 

Tita – Aiiii.

 

Tião - O que houve? Qual a causa deste espanto?

 

Tita – Eu vi... eu vi...

 

Tião – Viu? Eu também.

           

            Você viu o cabeção por aí,

                                                             (cantando)

             Eu não, eu não.

 

Tita – Vi sim.

 

Tião – Quem? O cabeção.

 

            Você viu o cabeção por aí,

                                                                 (cantando)

             Ela viu, ela viu.

 

Tita – Pare com isso. Não estou brincando.

 

Tião – Está bem. Diga-me o que foi que você viu desta vez?

            Será algum girassol carregado com néctar de abacaxi?

 

Tita – Puxa, Tião. Será que não consigo falar a sério contigo.

           Onde já se viu! Um girassol carregado com néctar de abacaxi!

            Deixe de brincadeiras.

 

Tião – (carinhoso) Está bem. Titinha, Titinhazinha, mostre-me sua descoberta.

 

 

Tita – Olhe ali, Tião. É uma formiguinha azul! Azul.

 

Tião – Sim. É verdade. É uma formiguinha azul

           E por causa disto, é preciso fazer tanto espanto.

                                  (pausa)

           Azul. Azul! Formiguinha azul. Será verdade?  

 

    

§         aproximam-se da formiguinha -        

 

(juntos)     - Sim. É uma formiguinha azul.

 

Tita – Olhe, está chorando.

 

Tião – Por que será? Vamos perguntar?

Tita – Sim. Vamos...

Tião – Tita, espere. Qual o tratamento que deveremos usar?

 

Tita – Ué! Porque?

 

Tião – Titinha! Já esqueceste?

           Olhe na escola aprendemos que as pessoas de sangue azul, são nobres.

 

Tita – Mas será a formiguinha uma nobre?

 

Tião – Ora... Não tenha dúvidas. Agora devemos pensar na forma de tratamento.

           Qual o tratamento que iremos usar.

           E perguntar-lhe a razão de sua tristeza. 

 

Tita – Ah! Já sei. Vamos trata-la com todo o respeito.

 

Tião – Isso mesmo.

           (p/a formiguinha)

           Ilma Sra  Baronesa!

 

Tita – Digníssima Sra Condessa! (pausa)    Excelência.

 

Ceci – O que é? Vocês estão falando comigo?

 

Tita – Sim, formiguinha... Oh! Perdão. Excelência.

 

Ceci – Ora... Deixem de brincadeiras. Ninguém quer a minha companhia.

 

Tião – Sim, quero dizer não. (embaraçado)

            Nós não estamos mexendo.

            Ilma Sra, Baronesa.

 

Ceci – Então, por que continuam com este tratamento.

 


Tita – Sabe, Dona Formiguinha, ou melhor dizendo... Excelência... Senhora.

           Puxa, já nem sei como devo trata-la.

 

Ceci – Ora. Chamem-me de Ceci..

 

Tião – (+ embaraçado) Bem Srta Ceci, a culpa foi toda nossa.

            Pensamos que por ser a senhorita, azul. Fosse alguma nobre,

            Ou quem sabe até mesmo uma princesa.

 

Ceci – Porque?

           (animada) Será que por aqui existem formiguinhas azuis?

           E elas são nobres?

 

Tita – Não Ceci. Você é a única formiguinha azul que já vimos.

 

Tião – Sim. O único bichinho azul que conhecemos,

           é um primo nosso, o besouro azul.

 

Tita – E como pode ver, eu e Tião, também temos alguns traços azuis.

           (rindo) Eu sou descendente da rainha abelhuda e....

 

Tião – Psiu. Essa não é hora para brincadeiras.

          

Tita – Claro, desculpe Ceci. Eu estava brincando.

            Além do besouro azul, existem outros bichinhos azuis.

 

Tião – Pois é, existem outros bichinhos azuis.

            Isto sem falar na baleia azul.

 

Tita – No beija-flor, no azulão.

 

Ceci – É. Existem outros bichinhos azuis.

            Mas formiguinha... acho que sou a única . E não tenho amigos.

           

Tião – Mas o que é isto, senhorita Ceci?

           A senhorita é a única formiguinha azul, que conhecemos.

           E não precisa ficar triste. Nós seremos seus amigos.

 

Ceci – Muito boricada! Puxa, estou tão emocionada que falei errado.

           Muito obrigado, Sr Tião.

 

Tita – De nada, Ceci.

           E vamos para com este tratamento de senhor, senhora e senhorita.

            Para comemorarmos nossa amizade, tenho em casa...

            Um bolo de mel... DE LI C I O SO.

 

Tião – O que estamos esperando?

            Vamos. (oferece os braços para Tita e Ceci)   

            Olhe, Ceci. Você pode contar conosco para tudo.

 

Ceci – Tita e Tião, vocês são formidáveis.      (saem de cena)

-         entra em cena o formigão Tatai

 

Tatai – Falaram-me que uma formiguinha azul foi expulsa de meu Castelo.

             Mas não veja ninguém!

Qual! Formiguinha azul não existe.

 

-         com a reação da platéia – entrada de Zé Pulinho

 

     - Existe sim.

            (p/a platéia) Existe, ou não existe?

 

Tatai – Eu acho que não.

 

      - Eu acho que sim.  (p/a platéia) Sim, ou não.

 

-         se houver posições contrárias na platéia – motiva-se a escolha

-         Tatai defende que não e Zé Pulinho que sim.

 

      - Existe. E eu posso provar.

 

Tatai – Pois estou esperando. Prove.

 

      - Neste momento a formiguinha azul, ou melhor dizendo a senhorita Ceci

Está em casa de minha madrinha, a abelha Tita.

 

Tatai – Então é verdade.

 

      - Claro que é. E olhe a minha madrinha, a abelha Tita.

             Encontrou-a chorando por ter sido expulsa de seu formigueiro.

 

Tatai – Formigueiro não. Castelo.

 

      - Que diferença faz, formigueiro, ou castelo.

              A verdade é que ela foi expulsa.

 

Tatai – (embaraçado) Epa! Calma aí... eu não fui... ou melhor...

             só agora é que fiquei sabendo desta formiguinha azul.

E como pode ver estou a sua procura.

 

      - Para que? Para maltratá-la mais do que já foi?

 

Tatai – Não pretendo maltratá-la. Quero... quero conhecê-la.

 

      - Hummmmm... Não sei se devo acreditar.

Depois do que seus amigos fizeram.

 

Tatai – Meus amigos, não. Meus súditos.

Para seu conhecimento, sou o rei deste formigueiro,

Digo, CASTELO. E exijo respeito. E...

 

      - E.

 

Tatai – Embora sejam meus súditos, existe entre nós muito respeito.

             E, principalmente, amizade.

 

      - Não parece.

 

Tatai – Porque?

 

      - Ora... da maneira que o Sr falou!

 

Tatai – Contudo não creio que entre amigos, ou súditos, deixe de existir o respeito.

             E o senhor me deixou tão nervoso que...

 

      - Sim... majestade.... perfeitamente... majestade... tenha calma... majestade.

             Sabe... majestade. Para seu conhecimento e para conhecimento de seus súditos.

             Para sermos respeitados, devemos respeitar aos outros...

             E, principalmente às damas.

 

Tatai – (mais nervoso) Sr Zé Pulinho do Cricri.

             Os responsáveis por tamanha indelicadeza, já foram alertados.

             E para que tal fato não torne a acontecer.

             Eu os deixarei sem açúcar,

             até aprenderem como devem ser tratados os visitantes.

 

      - Ah! Agora  compreendo, não foram todos.

             Puxa, como a formiguinha azul vai ficar contente. Ora se vai.

 

Tatai – Bem... você pode apresentar minhas desculpas a srta Ceci.

             Diga-lhe que desejo conhece-la o mais depressa possível.

             Para desculpar-me pessoalmente.

 

      - Com imenso prazer, serei o portador de tão amável convite.

             Com su permisson... majestade... adios....  (sai de cena)

 

Tatai – (sonhador) Hum! Será que a formiguinha azul vai gostar de mim?

             Aceitará minhas desculpas?

             (p/a platéia)

              O que vocês acham?

 

- deve-se explorar ao máximo a participação da platéia.         

-         com desenrolar do diálogo de Tatai com a platéia

      entrada de Zé Pulinho e Belinha.

 

     - Eu falo.

 

Bel     - Não. Quem vai falar sou eu.

 

      - Está bem.

 

Zé e Bel – Majestade!

 

Bel     - Ah! Zé Pulinho. Você disse que ia deixar eu contar que Ceci...

 

     - Manda dizer...

 

Tatai – Acho melhor vocês entrarem em um acordo.

             Assim, não estou entendendo nada.

 

Bel    - Quem vai falar sou eu e pronto.

 

     - Não. Sou eu.

 

Tatai – Vamos fazer o seguinte, aquele que falar primeiro...

 

Bel    - Ceci manda...

 

     - Dizer

 

Tatai – Silêncio. Já vi que com vocês não adianta.

             Se continuar assim,

             nunca vou saber e a formiguinha azul, aceitou minhas desculpas.

 

Zé e Bel – Vamos fazer um trato. (cochicham e riem)  Vamos falar juntos.

 

Tatai – Está bem. Desde que eu entenda.

 

     - (procurando falar primeiro que Belinha) Majest...

Bel    - Majestade... (falando mais rápido)
            Ceci manda dizer que ficou muito sentida com a recepção que foi proporcionada       
            em seu formigueiro...

      - (também, falando rápido)  Sente muito, mas não pode aceitar suas desculpas.

Tatai – (analisando) dizer... recepção...formigueiro. Não entendi nada.
             Vocês querem fazer o favor de repetir, sem brincadeiras.

     - Perfeitamente...

Bel    - Majestade.

     - (pausadamente) Majestade, Ceci manda dizer que ficou muito sentida com a            
            recepção que lhe foi proporcionada em seu formigueiro. Sente muito. Mas não    
            pode aceitar suas desculpas, pois em seu Castelo, tal fato nunca sucedeu.

Tatai – Castelo! Mas, que Castelo?

Bel    - Ora... ora. No castelo em nasceu, cresceu a aprendeu a andar, ou o senhor     
           desconhece que a Ilustre Baronesa Ceci du Azule, é uma das poucas nobres de      
           legítimo sangue azul.

Tatai – Não. Não sabia.
             E se houvesse sido anunciada a sua chegada, seria recebida com todas as honras   
             que faz jus, ou se faça merecer.

     - Pois com honrarias, ou sem honrarias. Ela não virá. Voltará a seus domínios  e                           
            mandará seu exército de saúvas azuis destruírem seu reles formigueiro.
            Tenho dito.

Bel    - Isso mesmo.e, também tenho dito.

Tatai – Não acredito.não é possível que uma senhorita linda, fina e rica. Venha a                      
            declarar tal guerra, sem antes ouvir minhas justificativas. Afinal os culpados por         
            tal engano, já foram punidos.

 

- entram – Ceci , acompanhada por Tita e Tião. Zé Pulinho e Belinha fazem mesuras -

  todos se colocam de forma a destacar a nobreza de Ceci.

 

Ceci   - É isto mesmo. Fui muito maltratada em seu reles formigueiro.

             (vira-se para Tita e Tião)

            Quanto a vocês, pela hospitalidade e pelo apoio, irão para meu Castelo, ou               
            melhor dizendo, Palácio. Castelo, lembra coisa velha e antiquada.

            (olha para Tatai e retira logo o olhar)

            (para Tita e Tião)

            Vocês de hoje em diante, serão meus administradores.

            A primeira providência que devem tomar,

            é equipar e preparar meu exército de saúvas azuis.

            Embora, (vaidosa)  não precise muito.

            (vira-se para Tatai|)

            Nunca fui tão humilhada em minha vida. (dá as costas para Tatai)

            (dirigindo-se a Tita e Tião)

            Podem ir... E providenciem minha carruagem de cristal!

            (saem Tita e Tião – cheios de falsas cortesias)

 

     - (gaiato) Baronesa, a ilustríssima senhorita, deseja algo?

 

Ceci   - Sim. Na falta de um trono, providencie algo para sentar-me.

             (Zé Pulinho vai saindo todo solícito)

             Espere.

             (Zé Pulinho ajoelha-se em frente à Ceci)

             (Ceci – solene)

             “De hoje em diante serás meu pajem”.

            (olhando pata Tatai)

            Pois o meu pajem assemelha-se muito com este...

            O que me causa profundo desgosto.

             Pode ir.

             (Zé Pulinho sai cheio de mesuras e fazendo graça – ao olhar para Tatai que está

             encantado com Ceci – tropeça e cai – levanta-se cheio de mesuras e sai de cena)

 

Bel    - Baronesa... com sua permissão... eu gostaria de solicitar...

 

Ceci   - Pois não. Minha querida “Dama de Companhia”.

 

Bel     - (entusiasmada) Não é nada. Ilustríssima Baronesa, com sua licença.

 

Ceci   - (olhando para Tatai) Não demore.

Tatai – (embaraçado) Senhorita!

 

Ceci   - Baronesa. BA-RO-NE-SA.

 

Tatai – (+ embaraçado)  Não sei se o senhor Zé Pulinho do Cricri, apresentou-lhe                
            minhas desculpas.

 

Ceci   - Se aquilo são desculpas. Eu já não entendo mais nada.

             Nunca vi tanta bobagem, deixar os culpados sem açúcar!

             Isto não é desculpa e muito menos castigo para os culpados.

             (com desdenho)

             Qual! Deixar os culpados sem açúcar, pois deve ser deste açúcar comum.

 

Tatai – Comum? Como?

 

Ceci    - Açúcar deste comum, que se usa para adoçar o café.

 

Tatai – E existem outros?

 

Ceci   - Claro. De beterraba e outros, importados.

             Em meu Palácio usamos açúcar refinado de cana de açúcar e,

             ou de beterraba nas reuniões informais.

             Nas recepções e em meu desjejum, o açúcar servido, é ultra-refinado

             de rosas Príncipe Negro, importadas da Rosolândia.

              E não faço por menos.

 

Tatai – Não sabia da existência de tais açúcares.

 

Ceci   - Também, tem de levar em conta que o senhor mora em um simples e reles   
             formigueiro. E eu, em um Palácio.

             Não poderia, nem deve conhecer iguarias finas.

             Por isso acho que deixar os culpados sem açúcar, não é castigo.

             Pois açúcar comum, encontra-se me qualquer parte.

             (pausa)

             (fazendo pose)

             Minha Dama de Companhia e meu Pajem, estão demorando.

 

      - (carregando uma enorme almofada azul)

             Baronesa, na falta de um trono,

             este foi o único assento digno de sua ilustríssima pessoa.

 

-         Ceci senta-se com ares de rainha – Zé finge estar com um grande abano

-         Belinha senta-se no chão ao lado de Ceci.

 

Ceci   - Bem. Muito bem.

             Sabem, depois disto tudo, fiquei com um ótimo humor.

            Vocês acham que eu deva ouvir as justificativas do Rei Tatai. 

 

     -  Na minha humilde condição, acho que sim.

 

Bel     - Sim, Baronesa, concordo do o Zé Pulinho.

Bel    - (falando baixinho – no ouvido de Ceci)

             Aproveite agora que ele está sem ação.

 

Ceci   - Está bem.

            (para Tatai)

            Aceito suas desculpas, mas espero que tal fato não torne a acontecer.

 

Tatai – Muito me alegra que a senhorita tenha aceitado minhas desculpas.

 

Ceci   - Sim. Aceito... estou com um ótimo humor. (dá risadinhas)

 

Tatai  - Então, como prova de minha estima.

             (aproxima-se mais de Ceci e em pose digna)

             Sua Ilustre e querida pessoa, Baronesa Ceci du Azule,

              será recepcionada em meu Castelo.

              Digo castelo, pois acho que falta algo para Palácio.

              (mudando o tom)

              Quem sabe, sua presença faça o milagre. (inclina-se com cerimônia)

              Com sua permissão, até breve (beija as mãos de Ceci)

 

Ceci    -  Com imenso prazer, pois como já disse, estou com um ótimo humor.

                        (Tatai sai de cena)

 

       - (imitando Tatai – contracenando cm Belina)

               Então, como prova de minha estima.

              A Ilustríssima Senhorita Baronesa Belinha Melada,

              será  recepcionada em meu castelo.

 

Bel       - Com imenso prazer. (dá risadas)

 

Ceci      - Parem com isso... estou apavorada! Será que vai dar certo?  

  

Bel       - Certamente, Ba-ro-ne-sa.

                                                                          (fazem reverencias)

         - Mas, é claro que vai. Ba-ro-ne-sa.

 

Ceci     - Estou falando sério. Bem... mas não deixa de ser divertido.

 

Bel       - Ilustríssima Baronesa Ceci du Azule,

               Agora, que está preocupadíssima, sou eu.

 

Zé e Ceci – Porque?

 

Bel       - Sinceramente, não sei com dizer.

               (começa a andar em círculos) (Ceci e Zé acompanham com o olhar)

               Ah! Achei...

 

Ceci      - Achou o que?

 

         - Credo. Desconfio que a Belinha fundiu a cuca.

 

Bel       - Quem vai fundir a cuca, serão vocês.

               (fazendo pose de grande dama)

               Quando eu aparecer vestida dignamente para visitar o reino de Tatai.

               Perdoem-me... o Reino de Sua Majestade...

               Rei Tatai de Formigolândia

 

Ceci      - E quem disse que você vai?

 

         - Isso mesmo, a única convidada foi Ceci.

 

Bel        - Venha cá.

               (marcação para a cena de Bel e Zé, longe de Ceci)

                Deixe de bobo. Você não viu a troca de olhares entre os dois.

 

        - Quer dizer, então! Puxa, que bacana.

 

Bel        - Faça de conta que não sabe de nada.

 

                        (voltam para junto de Ceci)

 

Bel        - Peço desculpas, Ceci. Eu não entendi direito o convite do Rei Tatai.

 

Ceci      - Ora, Belinha. Eu estava brincando.

               É claro, que quando for visitar o Reino de Tatai, iremos todos nós.

 

Zé e Bel – Que legal.

 

Ceci      - (sonhadora) Ah! Como estou contente.

 

                               -entram Tita e Tião-

 

Tita      - Ceci! Maravilhoso! Você esteve formidável.

 

Tião     - Sim. Fabulosa.

 

Tita     - Tenho certeza de que Sua Majestade Rei Tatai não tem a menor dúvida de

               Sua nobreza e títulos.

 

Ceci     - Títulos?

 

Tião     - Sim. Todo nobre tem títulos que valorizam...

 

        - Bimestralmente, semestralmente e

 

Bel       - Anualmente.

 

Tião     - Silêncio os dois. Não estou falando de títulos que rendam dinheiros

               E sim de títulos que demonstrem a nobreza e caráter de seu possuidor.

 

 

 

 

Tita      - Sim. Mas tudo isso, atualmente, não tem mais valor.

               Nós temos que reconhecer o caráter de uma pessoa pelo que ela demonstra.

               E não pelo o que foi dado por outros.

 

        - Que outros?

 

Tita      - Não devemos nos valorizar, apenas, por termos herdado algo de nossos pais,

               avós e outros descendentes. Devemos, principalmente, fazer real o nosso valor,

               através de nossos atos e palavras.

 

Ceci      - É. Vocês têm razão. (pausa)

               Bem que eu não queria fazer tudo isso.

 

Tião      - Não se preocupe, Ceci. Nós estamos no mundo do faz de conta.

 

Ceci      - Mas, eu não sou baronesa, não tenho palácio. E não gosto de mentir.

 

Bel       - Muito bem. Então, faça de conta que é baronesa, que tem palácio e etc...

 

Tião     - E deixe o resto por nossa conta.

 

Ceci     - Está bem. Só vou fazer de conta. Não vou...  (marcação)

 

Zé e Bel -  (com a entrada de Tatai) Olha o reiiiiiiiiiiiiiiiiii

 

Tatai    - Baronesa... Ilustríssima Baronesa Ceci du Azule,

               queira aceitar as chaves de meu formiguei... digo, Castelo.

 

Ceci      - (com pose simulada)

               É o mínimo que Sua Majestade pode fazer.

               Meu exército de saúvas azuis, já está pronto para o ataque.

               E isto depende, unicamente de minhas ordens.

 

Tatai    - Baronesa Ceci du Azule, não vejo motivos para tal ataque.

               Pode dispersar seu exército. Tenho uma proposta muito boa para a senhorita.

 

Ceci      - Qual será está proposta?

 

Tatai     - Vamos deliberar...

 

Bel        - Dê o que?

 

Tatai     - Deliberar... decidir... resolver. Conversar e discutir.

                (p/Ceci)

                A senhorita veio visitar meu castelo, não foi?

 

Ceci      - Foi. E tive a maior decepção de minha vida.

 

Tatai     - (digno) a Baronesa, me perdoe.

                Mas já foram apresentadas as minhas desculpas.

 

Ceci      - E eu aceitei.

Tatai     - Como é do conhecimento de todos. (pausa)

                Baronesa Ceci du Azule, eu e meus conselheiros decidimos que a senhorita    
                será nossa hóspede-oficial.

 

         - Oficial?

 

Tatai      - Sim. Será recebida como merece. Com todas as honras que faz jus.

 

Ceci       - Não sei se devo aceitar.

 

Tita       - Eu acho que a baronesa deve aceitar.

 

Tião      - Eu também. E além do mais Sua Majestade é só...

                   sua presença irá alegra-lo e muito.

                   Pois sendo um rei... ainda não tem sua rainha.

 

Ceci      - Está bem. Aceitarei. Mas, como uma condição!

 

Todos   - Qual?

 

Ceci       - (toma coragem e de um fôlego só)

                 Não sou baronesa.

                 Não tenho palácio, não tenho exército.

                 Não tenho nada. Sou só... (chora baixinho)

 

Tatai     - (conforme Tatai vai falando – Ceci responde com a cabeça)

                Não é baronesa?

                Não tem palácio?

                Não tem exército?

                É só?  

                Tudo isso foi mentira?  (saem de cena – Tita, Tião, Zé e Bel)

                Mas, é maravilhoso demais!

 

Ceci      - (procurando controlar-se)

               Maravilhoso demais?

                Na certa, agora é o senhor quem irá maltratar-me.

                (recomeça a chorar)

 

Tatai     - Não. Não é isto.

 

Ceci       - O que é, então?

 

Tatai     - Quando soube que a senhorita tinha aparecido em meu formigueiro,

                pensei muito no que a fada da planície, minha madrinha, havia me contado.

 

Ceci      - (sorrindo)

               O senhor é afilhado da fada da planície?

 

Tatai     - Sim. Sabe, Ceci. Quando a fada da planície me revelou um segredo.

                Eu decidi que só me casaria, quando encontra-se a formiguinha dos meus     
                sonhos, seria uma formiguinha que fosse gentil, boa para com todos,

                amiga de todos, sincera e graciosa.

Ceci     - (triste)

               E eu fui mentirosa.

 

Tatai    - Não precisa ficar triste, eu também sei que na terra do faz de conta,

              tudo pode ser feito, desde de que não prejudiquemos ninguém.

 

Ceci      - E com esta brincadeira de faz de conta, a única prejudicada fui eu.

 

Tatai     - Não. Você foi sincera. Não se importou com as conseqüências

               que recairiam sobre você. Ceci, você é, realmente, nobre.

               (pausa)

               E voltando ao segredo da fada da planície,

               ela me revelou que minha rainha seria uma formiguinha azul.

               Porem, pobre e sozinha como você.

               Quando fiquei sabendo que você era rica, fiquei surpreso.

               Mas, resolvi, assim que a vi, que seria você a formiguinha do meu coração.

 

Ceci      - Mas, isto é bom demais. (abraça Tatai)

 

                               (entram os demais personagens)

 

Tita      - (abraçando Ceci)

                Então, Ceci. Já não estás mais sozinha no mundo.

                Tens o seu rei.

                 Meus parabéns.

 

 

                                - todos cumprimentam Ceci e Tatai –

 

 

 

Bel       - Eu sabia, eu sabia. Ceci e Tatai, meus parabéns e muitas felicidades.

 

Tião     - E agora, o Castelo de Sua Majestade,

               será o mais lindo e organizado do mundo.

 

        - Meus parabéns, Ba-ro-ne-sa.

 

Todos  - Zé Pulinho, Zé Pulinho.

 

        - Meus parabéns Ceci.

               Oba! Vamos ter festas e mais festas.

               Vou me divertir a beçaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

 

Tita      - E eu farei um grande bolo de mel.

 

                       - Ceci e Tatai saem de cena -

 

Tião     - É. Afinal tudo está terminando bem. E tudo o que aconteceu vem provar que 
              mesmo na terra do faz de conta, ou em brincadeiras do faz de conta, devemos          
              ser honestos e bons.

 

Tita      - (para a platéia)

               Vocês viram a formiguinha azul era pobre e vivia muito só.

               Graças a sua honestidade e bondade, encontrou amigos.

 

        - Isso mesmo, meus camaradinhas. Com isso nós aprendemos muito.

               Não é a cor de uma pessoa, ou de um bichinho

                que influi em seu procedimento.

                Pois o que mais vale, não é a cor de nossa pele.

                E sim, o que temos no coração.

 

 

                                   -  entram Ceci e Tatai –

 

 

Bel       - E viva os noivos.

 

Todos  -  Viva....

 

 

 

Zé bel   - (cantam)

                                Com quem será,

                                Com quem será

                                Que a Ceci vai se casar...

 

                                  É com o Tatai,

                                  É com o Tatai,

                                  Que a Ceci vai se casar.

 

 

 

-         formam uma roda, com os noivos ao centro –

-         marcação do início do espetáculo

-          formam um semicírculo

 

 

 

Ceci     - Bem, meus amiguinhos e assim nossa história chega ao fim.

               Espero  que com ela todos tenhamos aprendido muito.

               E agora, para um final bem feliz,

               Vamos juntos cantar.

 

 

           

-         marcação para despedida dos personagens –

 

 

 

Tita      - Até logo, meus amiguinhos

               Agradeço a participação

               E com vocês, meu maridinho

               O besouro Tião.

 

Tião      - Eu sou o besouro Tião,

                Sou elegante

                E forte a valer

 

                (marcação  - Tita sorrindo tira Tião do centro e voltam  ao semicírculo).

 

Zé e Bel – Prestem atenção,

                  Muita atenção...

 

Bel        - Dizem que sou uma abelhinha

                Muito, muito engraçadinha

                Mas que preciso aprender

                A ficar comportadinha...nhá...nhá...nhá...nhá

 

         -.Pulinho...

                Pulinho é meu nome,

                Sou um grilinho de valor...

                Se precisarem de mim,iiimmmmmmmm

                Estarei ao vosso dispor.

 

Tatai     - Muito obrigado, meus amiguinhos

                A história vai terminar,

                Com vocês, a formiguinha

                 E agora, vamos cantar.

 

Ceci       - Escutem só, meus amiguinhos

                 A história vai terminar,

                 Deixo a todos, mil beijinhos

                 E agora, vamos dançar

 

 

 

 

 

.

 

                    - marcação – todos dançando –  saem de cena

 

 

 

 VOLTAR