DONA ZICA (Tributo em Verde e Rosa)


"Bate outra vez
Com esperanças o meu coração
Pois já vai terminar o verão,
Enfim..."

Das estações, a primavera é a ilusão maior do amor, quando do beijo roubado
Aguardamos o outono para sentir o sabor da realidade em outros lábios
Que procuram aquecer o inverno da solidão sentida e ressentida na espera
Do verão, qual varão prometido nos tempos de tranças e pés descalços
Que subindo, ou descendo a ladeira, fazem da vida a procura do sentido,
Sentindo bater forte o coração, ouvindo do choro da criança com fome,
Esquecendo da senzala social, apertando o peito, sem chorar
Jorra o leite da vida, aquecendo e renovando as ilusões minhas e suas

"Todo mundo te conhece ao longe
Pelo som dos teus tamborins
E o rufar do teu tambor "

Esquecendo regras do mundo dividido, lembrando do enredo sem segredo
Da vida para outras vidas, dançando dentro da melodia que na harmonia
E no brilho dos olhos encontravam o som perfeito, a palavra esperada
Fazendo em mil braços, abraços cheios de felicidades e carinhos
Com o sorriso aberto de quem sabe rir para a criança, e sorrir para o velho
Escondendo as lágrimas na derrota, lavando a alma em cada vitória
Alcançando do triunfo, a bandeira da verdade dita e bendita na oração


"Fora da tempestade
O sol nascerá
Fora desta saudade "

Deixando o desdobramento do fio prateado, sacudindo a poeira
E sentindo no levitar de plumas coloridas no verde e rosa,
A brisa do encontro esperado, sem som de atabaques e reco-reco,
Sentindo no dourado sonho, o verde da esperança
Colhendo do rosa, a rosa amarela da Oxum Encantada no amor
Cantado e decantado nos anos passados, sem luxo e cheio de dengo,
Apenas, dizendo:
Cartola, cheguei.



Ramoore

 

Voltar

 

 

Página Principal